Um dia de domingo

Saí do primeiro culto de 2013 agora à noite e a primeira música que me veio à cabeça foi um hino? Não… Mas, até que poderia ser – se você forçar um pouquinho a interpretação, como essa minha mente fértil o fez:

Um Dia de Domingo (Tim Maia)

Eu preciso te falar
Te encontrar
De qualquer jeito
Pra sentar e conversar
Depois andar
De encontro ao vento

Eu preciso respirar
O mesmo ar que te rodeia
E na pele quero ter
O mesmo sol
Que te bronzeia

Eu preciso te tocar
E outra vez
Te ver sorrindo
Te encontrar num sonho lindo

Já não dá mais pra viver
Um sentimento sem sentido
Eu preciso descobrir
A emoção de estar contigo
Ver o sol amanhecer
E ver a vida acontecer
Como um dia de domingo

Faz de conta que
Ainda é cedo
Tudo vai ficar
Por conta da emoção

Faz de conta que
Ainda é cedo
E deixar falar a voz
Do coração

O grande e saudoso Antonio Maia cantava a espera do reencontro com uma pessoa amada. Mas, ao ouvir na saída da igreja os desejos de “uma boa semana”, comecei a pensar com que tipo de Deus algumas pessoas se relacionam. Será um Deus que só “trabalha” aos domingos? Um Deus que só tem tempo para falar conosco, ouvir nossas preces e músicas em duas ou três horas de um dia específico da semana? Um Deus que só procuramos pra sentar e conversar por alguns instantes, pra suprir nossos desejos, anseios e desabafos?

Aí, lembrei-me de algumas frases de Philip Yancey, no livro: “Igreja: Por que me importar – Redescobrindo a alegria de viver em comunidade”:

“Seguir a Cristo é uma coisa, seguir os crentes ao lugar de cultos aos domingos, é outra totalmente diferente”

“Quanto mais se fica longe da igreja, mais estranha ela nos parece”

Nesta noite de domingo, o Rev. Valdinei Ferreira pregou sobre o tema “Prioridades” e usou como base o texto bíblico de Lucas 10, versículos  38 a 42. Neste trecho, Marta briga com Jesus, ao recebê-Lo em sua casa, porque toda a tarefa doméstica estava com ela e sua irmã, Maria, não parava de ouvir o Mestre.

Entre diversos pontos, chamou a minha atenção a observação de que muitos cristãos tornam o serviço eclesiástico um trabalho extremamente cansativo. Muitos iniciam atividades pelo prazer de servir, mas, ao final, carregam o peso de um trabalho árduo. O Rev. Valdinei chamou a atenção ao fato de que Marta perdeu o foco no que fazia e passou a observar a sua irmã, assim como muitos cristãos deixam de prestar atenção em Deus e passam a focar a instituição e seus membros.

Assim, quando o foco passa a ser horizontal, corre-se o risco de desanimar ao ver as várias pessoas que não estão trabalhando com o mesmo afinco – ou nem estão fazendo nada; a nos magoar pelo serviço que fazemos e não é reconhecido; e a ficar arrasados quando, mesmo sendo os únicos a efetuar uma tarefa, ainda sermos duramente criticado.

Gostei quando foi falado que o foco do cristão não é a instituição. Muitas igrejas ainda não entendem isso. Lembrei-me da sequência do livro de Yancey, quando ele explica por que “minhas viagens para longe da igreja sempre fazem um círculo e acabam me trazendo de volta”, como fica claro nesses trechos.

“O cristianismo não é mera fé intelectual interna. Ele só pode ser vivido dentro de uma comunidade”

“Sempre que deixo de ir à igreja por algum tempo, descubro que sou eu quem sofre”

“Quando vou à igreja, aprendi a olhar para cima, ao redor, a olhar para dentro e para fora”

“A Igreja existe, não para oferecer entretenimento, encorajar vulnerabilidade, melhorar a auto-estima ou facilitar amizades, mas, para adorar a Deus”

Uma igreja ensimesmada, que preza única e exclusivamente pela autopreservação não tem nada de cristã ou bíblica. Como disse o arcebispo William Temple: “[A igreja] é a única sociedade cooperativa no mundo que existe em benefício dos que não são membros”.

Comecei a falar de domingo, o que buscamos e derrapei para os problemas da igreja institucional. Se você já me conhece de outros tempos, sabe que tenho o dom da prolixidade. Mas, retomando, na verdade o que queria dizer é que os problemas não estão especialmente na igreja. “Ela” não é culpada. O problema está em nós. Pessoas que vivem um cristianismo dominical e brincam de que se relacionam com Deus.

Domingo pode ser um dia especial para comunhão, adoração, encontro. Mas, a vida de um cristão coerente é um domingo a cada dia, relacionando-se com Deus e com o próximo. Diariamente.

Anúncios

Sobre Fábio

Indefinido. Abstrato. Prolixo. Jornalista. Músico. Ciclista.
Esse post foi publicado em Catedralismos e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s